domingo, 20 de outubro de 2013

Massa Portista... !


Está na ordem do dia a paixão e fidelidade dos Portistas, capazes de suportar antigamente longos anos em secura de vitórias na modalidade considerada desporto-rei, quando o F. C. do Porto passou pelas travessias do deserto como foram os tais 16 e 19 anos de tempestades de areia aos olhos pelo regime vigente nesses tempos, sem se poder conhecer a alegria da conquista do principal campeonato nacional de futebol durante esses longos períodos… como depois fomos compensados na fartura de títulos que se seguiu, nomeadamente nos recentes 25 anos entretanto já passados… e agora correspondemos ao apelo clubista de contribuição para a preservação memorial, ajudando a tornar realidade o enriquecimento estimativo do Museu do F C Porto…   

Com efeito, o que dá vida a uma instituição coletiva é a existência de pessoas seguidoras e interessadas na existência da respetiva organização. Como se verifica perante a realidade dos simpatizantes duma coletividade e, no caso, se concretiza no apoio a uma agremiação que, assim, é engrandecida. Tal sucede naturalmente com o F C Porto na relação com a imensidão de apoiantes, quer associados ou normais adeptos e simpatizantes. Num universo a que se chama massa associativa no âmbito dos sócios e no cômputo geral será mais indicado definir como massa Portista.

Massa humana esta que, noutros termos, temos para nós também como Família Portista. Pela afinidade e empatia que se sente entre elementos com o mesmo denominador comum, quanto é o F C Porto. Havendo naturalmente certa ligação, simpatia relacionada, sintonia de compreensão, entre Portistas. Conforme sentimos sempre que sabemos de mais alguém como nós, Portista. Ganhando-se sempre mais amigos em tal conformidade, como bons exemplos que estes meandros vão proporcionando, sejam quais forem… Manuel, Tiago, Paulo, Pedro, Fernando, Bruno, Eduardo, Sérgio, Vítor… e por aí fora, de maior ou menor experiência de vida, mas Portistas.


Ora, um destes dias, num grupo de Portistas, a que honrosamente pertence o autor, e onde por vezes conversamos por via informática, veio esse tema à baila, precisamente. Dando azo ao que tínhamos em mente transmitir, aqui, sem necessitarmos de expandir muito mais ideias próprias, a modos de bastar retermos a corrente base, através de palavras escritas por alguns desses nossos amigos e correligionários Portistas.

Assim sendo, fixemo-nos neste mote, na certeza que apoiante produz algo como cimento afetivo que suporta a estrutura central do clube e obviamente da respetiva equipa de futebol. Sendo que está generalizado já o termo estrangeirado "supporter", ou seja, aquele que suporta, derivado de na Inglaterra essa palavra designar o conjunto dos apoiantes. Também por isso o F. C. Porto sempre foi e sempre será grande. Honra para a sua singular e insuperável massa apoiante, a sua primeira substância nutritiva e principal força motora.

Neste pé vem a propósito, por arrasto, a questão semântica e real de adepto. Porque entusiastas, como nós, não somos simples adeptos de um clube, mas sempre apoiantes. Consoante a própria palavra inglesa quer dizer, "apoiante". Embora existam adeptos, como na prática, por exemplo, qualquer um é adepto dum movimento, contra uma desumanidade de alcance público e até de qualquer existência relativa. Sem contudo haver implicação demasiada, pois um adepto é especialmente espectador não ativo. Enquanto um apoiante, apoia, faz força e segura e assegura.



Nesta transcrição adaptada do que expressavam, como referimos, os nossos amigos, vinha a talhe de foice a constatação que no passado o F. C. Porto beneficiava do facto das pessoas portistas serem 101% APOIANTES, fossem ou não sócias, a pontos que o nosso estádio das Antas fazia a equipa dos nossos adversários passar mal. E o chamado Tribunal intimidava até os nossos próprios jogadores!

Questão esta que está na ordem do dia. A massa de simpatizantes, adeptos casuais, espectadores, é hoje em dia superior aos adeptos apoiantes, sócios ou não, numa proporção já muito relevante. E isso tem reflexos concretos no nosso estádio do Dragão, em cujas cadeiras de notam alguns descontentes sempre com qualquer coisa, dos chamados pipoqueiros. Intrometendo-se, por vezes, alguns simples espetadores, daqueles que recebem convites dos que são atribuídos a empresas de parceria comercial, entre diversificadas ocorrências.


Vem então a preceito uma interrogação:  Será que os clubes, por muito dinheiro que possam ter ou gerar, serão capazes de se manter, se não forem suportados pelos apoiantes? Há opinião, por um lado, que se for feita uma aposta em quem paga, poderá ser que sim. Havendo casos em que obviamente isso foi feito, tal qual um exemplo como é o do Barcelona, que será um dos mais emblemáticos, enquanto associação que afinal é o Barça, bem como ainda é o F C Porto. Por outro lado pode isso já não ser muito viável. Contudo, tirando a alma a um clube, ele acaba por morrer, porque quem lá está por dinheiro, rapidamente desaparece quando não se ganhar. Se o F. C. do Porto na década de sessenta e até mais de meio dos anos setentas fosse um clube sem os seus apoiantes, e então esse tempo já fosse em período de SAD's, provavelmente não teria sobrevivido a tanto insucesso e a tantas angústias. Sendo antes um Dragão adormecido, que a partir de 1976/77 e especialmente desde 1982/83 despertou. Detendo há já uns bons anos a marca de estatuto internacional.

Na razão afirmativa, repare-se em como uma publicação oficial do F C Porto honrava em 1988 a multidão dos apoiantes, em pleno crescimento. Agora parte integrante também do palco dos sonhos do estádio do Dragão, do aconchego vibrante do Dragão Caixa e do deslumbramento possível no Museu. Em espirais de incenso, qual fumo das claques e emoções pulsadas nos  corações ardentes dos apoiantes.


Armando Pinto


»»» CLICAR sobre as imagens, PARA AMPLIAR «««

3 comentários:

  1. Há uma convicção muito enraizada sobre o sentir diferente dos adeptos portistas, dada a sua extrema fixação ao clube e aos seus ideais. Sentir diferente? Talvez, por ser maior... ou antes, mais intenso, e que se traduz também por mais ansiedade, mais receio de perder, mais desejo de ganhar, mais euforia, mais tormento, mais fé, mais fervor, e mais orgulho... e também mais amor.

    A relação adepto-clube, é uma óbvia relação amorosa. É a sua paixão pelo clube que distingue o adepto do espectador, ou do pacato apreciador de futebol, e o transforma num desses seres permanentemente inquietos e exigentes, às vezes doentes, pessoas a quem não se pode dar idade nem estatuto social, de tanto que se tornam parecidos uns com os outros, unificados que estão por essa paixão comum, e sobretudo, pelo desejo angustiado de ver a equipa ganhar o seu jogo.

    Em dia de jogo grande no Estádio das Antas, um repórter de Televisão inquiriu uma conhecida figura pública sobre o espectáculo a que ia assistir, e ela respondeu, atónita: "Qual espectáculo? O que eu quero é que o Porto ganhe!"

    E aqui temos a ALMA do apoiante a falar, e caso um dia se perca esta alma, o clube perde a vida, logo no seu primeiro momento de insucesso. Não há clube que possa resistir à falta da sua Alma, e viver só em função de números, receitas, lucros, compadrios, e interesses.

    Parabéns Armando Pinto por esta reflexão muito interessante, e que na sua globalidade representa o sentir da maioria de apoiantes do nosso clube.

    ResponderEliminar
  2. Volvidos tantos anos de paixão pelo emblema Portista, não posso deixar de admitir que o FC Porto foi a grande paixão da minha vida no âmbito das manifestações fora da vida familiar. Desde criança que o FC Porto me acompanha, me interessa, me magoa, me premeia, me desilude, me dá esperança, me conforta me leva ao êxtase!

    Como em Viena, em 27 de Maio de 1987!

    O adeptos são a alma do clube, o exército que luta até à morte pelos seus êxitos, a força que o puxa para o céu, para a glória.

    São os adeptos que dão sentido à existência do Clube.

    Muito me orgulho de ter sido um dos "resistentes" dos 19 anos da travessia do deserto.

    Hoje, sinto-me compensado por ser Portista. E dou graças a Deus por ter permitido que tivesse escolhido o FC Porto.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  3. Caro Pinto Felgueiras, por acaso descobri este magnífico blog do nosso Futebol Clube do Porto. E digo-lhe simplesmente que você é merecedor de um Dragão d'Ouro.

    VIVA O FUTEBOL CLUBE DO PORTO!!!

    Cumprimentos
    António Sa.
    Portista de Lisboa

    ResponderEliminar