Reconstituição Histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Reconstituição histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Criar é fazer existir, dar vida. Recriar é reconstituir. Como a criação e existência deste blogue tende a que tenha vida perene tudo o que eleva a alma portista. E ao recriar-se memórias procuramos fazer algo para que se não esqueça a história, procurando que seja reavivado o facto de terem existido valores memorávais dignos de registo; tal como se cumpra a finalidade de obtenção glorificadora, que levou a haver pessoas vencedoras, campeões conquistadores de justas vitórias, quais acontecimentos merecedores de evocação histórica.

A. P.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Pinto de Magalhães - Um Homem do Porto.


No Porto sempre houve sentido de liberdade e memória. Sendo a cidade do Porto a capital liberal, de onde partiram revoluções e conquistas, mas também com memória de gratidão, ou não fosse por um apreço derivado que o rei D. João I veio casar na área do Porto, ele que foi o rei de Boa Memória, inclusive sendo no burgo portucalense que nasceu um seu filho dos mais ilustres rebentos da Ínclita Geração, o Infante D. Henrique. E como os portuenses sempre foram de fazer das tripas coração, é um orgulho ser o Porto que mereceu de D. Pedro IV o coração desse monarca liberal constitucionalista.  

Não admira, em todos os sentidos, que sendo o FC Porto o clube com o nome da cidade da liberdade, também no grande baluarte azul e branco sempre haja imperado o espírito reto, da boa memória. Sem esquecer quem nos fez e faz mal, como os Calabotes de antigamente e os elementos da arbitragem e conselhos dos anos recentes, quer o tal advogado Ricardo que tentou colocar o FC Porto no purgatório há anos, como depois uns talhantes e filhos de tasqueiros atuais, mais um Soares Dias traiçoeiro e os Fontelas das nomeações. Mas lembrando especialmente quem fez bem ao clube, dentro da edificação, no plano construtivo e progressivo. Como foi um caso que desta vez aqui recordamos.

Ora, entre os muitos e bons exemplos, um grande homem que ficou na história do FC Porto e, como tal, mereceu o devido apreço, sendo em seu tempo alvo da natural gratidão portista, foi o Presidente Afonso Pinto de Magalhães, antigo presidente da Direção nas gerências de 1967 a 1971, bem como elemento de diversas direções em variados cargos e funções. Um bom gestor, honrosamente agraciado como um dos nossos Presidentes Honorários. Pinto de Magalhães que teve direito a homenagem pública com a colocação de um monumento alusivo junto ao antigo estádio das Antas, no amplo espaço de entrada entre os acessos à cidadela desportiva das Antas.


Por essa homenagem ter acontecido em pleno Outono, corria o ano de 1970, vem agora à ideia tal ocorrência. Que assim é assaz pertinente recordar.


Pois Pinto de Magalhães foi um dos presidentes que marcou positivamente o clube Dragão. O que nos leva a procurar evocar sua memória também. A pontos que foi dado seu nome a duas das anteriores existências de salas-museus do FC Porto, primeiro ainda na antiga sede da Praça do Município, junto à Câmara Municipal do Porto, e por fim no museu do estádio das Antas, que, com a demolição do estádio, foi substituído pelo atual Museu do FC Porto, no Dragão.


Nascido a 30 de Março, no já longínquo ano de 1913, Afonso Pinto de Magalhães foi com efeito figura incontornável da História do F. C. Porto, seu clube desportivo do coração, que serviu em diversos cargos. Tendo chegado a desempenhar a presidência durante cerca de cinco anos, sucedendo a comissão administrativa em que também esteve incluído. Durante cujo mandato, de permeio, teve reconhecimento dos consócios da coletividade como um dos Presidentes Honorários. Apesar de não ter conseguido nenhum título de campeão nacional de futebol sénior durante esse período, mas havendo imprimido uma dinâmica que transportou o clube para um estado avançado em infraestruturas, mais instalações desportivas e sociais.

Ficou porém, e sobretudo, a sua presidência deveras assinalável pelo trofeu de maior relevo nacional conquistado pelo FC Porto durante a travessia sem títulos, como foi a Taça de Portugal conquistada em Junho de 1968 por aquela equipa onde pontificava a presença elástica de Américo, a segurança de Rolando, a genica de Atraca, a criatividade de Nóbrega, a omnipresença de Custódio Pinto, o carisma de Pavão, o físico de Valdemar, o faro pelo golo de Djalma, a velocidade de Jaime, técnica de Eduardo Gomes, prontidão de Bernardo da Velha, elegância de Sucena, jogo de pés de Malagueta, etc.


Apesar de constar na maioria das publicações alusivas como sendo natural do Porto, Afonso Pinto Magalhães nasceu em Arouca, no Distrito de Aveiro; embora depois haja sido batizado no Porto, tendo recebido o sacramento do batismo na igreja de S. Nicolau, da portuense freguesia da Sé, na cidade capital do distrito do Porto e sede episcopal da diocese Portucalense. Havendo, pela vida fora, sido um verdadeiro filho dileto da Invicta, servindo a mesma cidade da Virgem «nas mais diversificadas instituições de Assistência, de Indústria, do Comércio, de Benemerência, do Desporto. Por si mesmo criou inúmeras Empresas sendo, de forma indiscutível e inatacável, o maior investidor, industrial, comerciante, banqueiro e dirigente multifacetado» da geração desse tempo. Como está expresso num livrinho que em 1989 lhe foi dedicado pelo também antigo diretor do clube Mário Carvalho, aquando da passagem de cinco anos de seu desaparecimento físico, tendo falecido a 29 de Janeiro de 1984 – cujo frontispício dessa publicação ilustra o início deste artigo.

Dos pontos mais visíveis de sua presidência fala um resumo inserido na Fotobiografia do FC Porto, da lavra de Rui Guedes. 


Muito poderíamos aludir sobre este personagem ilustre e dinâmico presidente na vida clubista, bastando por ora, para não alongar a exposição, cingirmo-nos a algumas publicações que lhe dedicaram espaço de memorização. Entre outras edições histórico-literárias, além de alguns livros que já referimos noutras ocasiões.

- Chegada de Flávio ao aeroporto do Porto, perante grande afluência humana que foi esperar esse famoso craque, à chegada a Pedras Rubras.

Pinto de Magalhães, que em 1955 como diretor do futebol trouxe Yustrich, o homão treinador do título nacional de 1956 e em 1971, como presidente ainda, tentou reforçar melhor a equipa principal do FC Porto com a aquisição de Flávio, craque goleador da seleção brasileira, ao tempo, foi sempre verdadeiramente um Homem do Porto, ponto!

Como ilustração, juntamos uma curta nota biográfica, do livro “100 figuras do futebol português”. Havendo, curiosamente, em sequência da sua continuidade como portista uma ilustrativa entrevista prestada à revista “Chuto” (edição da qual um exemplar está entre o material emprestado pelo autor destas linhas ao museu do FC Porto), em cujo número, nesse de Abril de 1979, se percebe algo de sua afeição clubista mesmo depois de ter deixado de ter ação direta no clube.


Fica assim aqui algo capaz de fazer avivar a memória desse grande timoneiro portista do passado, que para sempre será lembrado entre os portistas de boa memória e sentido de gratidão em azul vivo.

Armando Pinto

((( Clicar sobre as imagens digitalizadas, para ampliar )))

2 comentários:

  1. Como nunca gostei de futebol, recordo com enorme apreço a figura de empresário que além de ter sido um Grande Banqueiro, seguidamente iniciou a actividade nos supermercados Invictos, dos quais me prezo de ter sido o vendedor do primeiro empilhador LINDE para um armazém que existia na Rua Justino Teixeira, era tudo movimentado por ...carrinhos.
    Esses supermercados INVICTOS seriam reconvertidos através de Belmiro para o que nasceria depois......CONTINENTE de seu nome.....Hoje é o que se vê, mas por trás de tudo isto está este GRANDE SENHOR. Obviamente que haverá gente que não goste deste meu verídico comentário........

    ResponderEliminar
  2. Um grande homem de verdade, que ficou conhecido pelo BPM, Banco Pinto de Magalhães, que fundou e fez progredir, mais tarde fundido no União de Bancos que durou poucos anos depois disso. Mas o que o tornou mais conhecido foi mesmo a sua ligação ao desporto, quer ao FC Porto, como à equipa de basquetebol do BPM que durante largo tempo ombreou com o Porto e Vasco da Gama a nível regional. O FC Porto fez-lhe algumas homenagens enquanto ele foi presidente, em especial através do Conselho Cultural desse tempo, nomeadamente na despedida de presidente. Faltou fazer uma outra mais tarde, e não se sabe porque o monumento que lhe fizeram nas Antas não foi trasladado para o Dragão, como aconteceu com os bustos de Pavão e Rui Filipe e o medalhão de Pedroto.
    Foi Um grande Portista em suma. Paz à sua alma e como acima está escrito, será sempre lembrado.

    ResponderEliminar